Comandos personalizados


Cansado de andar sempre a escrever \rightarrow, resolvi criar um comando para escrever limites.

O comando é simples e apenas é necessário introduzir a variável, o valor para o qual tende e a expressão analítica da função, assim, usando esse comando só tenho de escrever

\limit{x}{+\infty}{\frac{a^x}{x^p}}

para substituir:

$\lim_{x\rightarrow \infty} \frac{a^x}{x^p}$

que depois se transforma em:

\displaystyle{\lim_{x\rightarrow \infty} \frac{a^x}{x^p}}

O comando, a introduzir no preâmbulo do documento, é o seguinte:

\newcommand{\limit}[3]
{\ensuremath{\lim_{#1 \rightarrow #2} #3}}

simples!

NOTA: Nos meus documentos costumo usar o comando \everymath{displaystyle} e no limite apresentado acima também o usei.

Grande parte das coisas que surgem nos cabeçalhos e rodapés são textos que nós queremos automáticos, como seja a página, o título do texto ou o título do capítulo/secção/subsecção…

Informações como a data e o autor normalmente são fixas ao longo do texto e por isso basta colocá-los no local que queremos fazendo uso do fancyhdr.

Outras informações como o número de página ou o número de capítulo também são relativamente simples de colocar:

O número de página coloca-se recorrendo ao comando \thepage. Por exemplo, se quisermos que no cabeçalho ao lado direito apareça o número de página escrevemos:

\rhead{\thepage}

Se for o número do capítulo, usamos também o \the, mas desta vez será \thechapter.

\rhead{Capítulo \thechapter}

Claro que não usamos só o número com pena de se confundir com o número de página.

As coisas ficam um pouco menos intuitivas quando queremos introduzir o nome do capítulo ou da secção e ainda mais se entrarmos nas subsecções.

Sem nos darmos por isso, o \LaTeX altera uns comandos que se chamam \leftmark e \rightmark que são o nome do capítulo e o nome da secção respectivamente. Seguindo o mesmo exemplo, se quisermos o nome do capítulo na parte direira no cabeçalho, colocamos

\rhead{\leftmark}

O nome da secção

\rhead{\rightmark}

No entanto, a formatação destes comandos está pré-definida para maiúsculas e escreve para além do nome também o número, por exemplo: CAPÍTULO 1. NOME DO CAPÍTULO

Se quisermos uma configuração mais personalizada então o melhor mesmo é por mãos à obra.

Em primeiro lugar definimos o comando que vai armazenar o nome do Capítulo

\newcommand\nomecapitulo{}

E de seguida procedemos ao armazenamento:

\renewcommand\chaptermark[1]{\renewcommand\nomecapitulo{#1}}

Basta depois escrever o comando \nomecapitulo no local onde queremos o nome do capítulo. Como no exemplo:

\rhead{\nomecapitulo}

Podem ainda proceder a alterações na formatação da letra usada adicionando as opções à parte que tem #1. Se quiserem o nome do capítulo em itálico, escrevem:

\renewcommand\chaptermark[1]{\renewcommand\nomecapitulo{\it #1}}

Se o desejado fosse o nome da secção então estas duas linhas ficariam:

\newcommand\nomeseccao{}
\renewcommand\sectionmark[1]{\renewcommand\nomeseccao{#1}}

Outra coisa que por vezes se usa é colocar o número de páginas acompanhado do número total de páginas, assim: página 1 de 100, por exemplo.

Para colocarmos tal informação temos acrescentar o package lastpage:

\usepackage{lastpage}

Passamos a ter a possibilidade de recorrer ao comando:

\pageref{LastPage}

NOTA: Notem na letra maiúscula L e P em LastPage!!

Colocamos então onde queremos a informação

Página \thepage de \pageref{LastPage}

É muito simples!

Para ver informação sobre cabeçalhos e rodapés ver 1 e 2.

Uma coisa que me aborrece é escrever texto matemático inserido numa linha de texto. O que normalmente acontece é o texto matemático ficar mais pequeno que o resto do texto, e isto acontece mais quando trabalhamos com fracções ou raízes. Mas não é um problema exclusivo do texto matemático em linhas.

Já há algum tempo, numa procura por resolver este problema encontrei o seguinte comando:

\displaystyle

e usa-se da seguinte forma:

texto texto texto $\displaystyle texto matemático$ texto texto texto

Exemplo:

$\displaystyle A(x)=\frac{x^3+2x+1}{x-x^2}$\,.

Resultado sem \displaystyle:

A(x)=\frac{x^3+2x+1}{x-x^2}\,.

Resultado com \displaystyle:

\displaystyle A(x)=\frac{x^3+2x+1}{x-x^2}\,.

Bom… isto até é muito bonito, mas o que me “atormentava” era o facto de ter que inserir em todos os ambientes matemáticos o comando \displaystyle, e foi a solução para este problema que me fez escrever este post.

Recorremos ao comando \everyXXX !!!

Inserimos no preâmbulo a seguinte linha:

\everymath{\displaystyle}

e… temos o comando \displaystyle aplicado a toda a matemática! E já não precisamos de o escrever mais!

Clique em mais para continuar… 🙂

(mais…)