Julho 2007


No preâmbulo de um documento da classe coursepaper, para além dos habituais comandos \author, \title e \date, temos uma série de comandos extra ideais para trabalhos escolares:

\college{Escola ou Universidade}
\coursename{Área ou curso}
\coursenumber{Número/código do curso}
\coursesection{Secção do curso ou turma}
\studentnumber{Número do aluno}
\instructor{Professor}

O único senão que encontro nesta classe é o facto de no local do professor, aparecer escrito: “For: Professor”. Para corrigir este facto é necessário abrir o ficheiro coursepaper.cls (façam uma procura no directório onde instalaram o MiKTeX) e, no interior do ficheiro – que podem abrir com um editor de texto vulgar – procurar o local onde está escrito:

\sffamily For: \@instructor%

e alterar para

\sffamily Para: \@instructor%

guardar e já está! A próxima vez que compilarem o ficheiro já aparecerá Para: Professor.

Anúncios

Para além das classes que referi neste post e outras que já conhecia mas não foram referenciadas(sorry!), encontrei algumas que podem ter alguma utilidade.

São elas:

  • IEEEtran
  • IEEEconf
  • scrartcl

As duas primeiras apresentam uma estrutura em duas colunas, a última usa uma só coluna. Todas têm com diferenças ao nível das fontes usadas no títulos. A classe IEEEtran não admite partes…

O meu conselho é experimentar e usar, se se adaptarem às vossas necessidades – não façam a escolha só pelo bonito!

Para usar estas classes basta colocar/substituir o nome da classe no comando \documentclass.

Estas classes não servem para conceber apresentações (tipo Powerpoint).

Lista actualizada de classes (classes para trabalhos escritos – vocês sabem do que eu estou a falar):

  • article
  • report
  • book
  • paper
  • amsart
  • amsbook
  • amsproc
  • proc
  • coursepaper (com opções para trabalhos universitários)
  • dtk
  • extarticle
  • hitec
  • IEEEtran
  • IEEEconf
  • scrartcl

Há algum tempo atrás tive que escrever algum código em \LaTeX, na altura estava a dar os meus primeiríssimos passos nesta linguagem e por isso trabalhei apenas com o ambiente verbatim.

Mas encontrei agora um pacote que torna a escrita de algoritmos muito mais profissional e elegante. Devido às suas inúmeras opções não vou descrever o pacote aqui, em vez disso deixo um link para o PDF onde ele está descrito ao pormenor.

Algorithm2e

 

Um ponto que acho importante referir é que, usando este pacote, podemos escrever os algoritmos em português, visto haver uma versão das instruções nesta língua.

Ah!… resta dizer: Bem hajam os autores!!!

O ambiente minipage usa-se quando, por exemplo, queremos colocar vários objectos – texto, figuras, tabelas,… – lado a lado.

Como todos os ambientes, temos que começar com:

\begin{minipage}

e acabar com um

\end{minipage}

Mas existem ainda algumas opções que importa referir para explorar o ambiente minipage na sua plenitude.

Quando iniciamos o ambiente temos:

\begin{minipage}[pos1][altura][pos2]{largura}

  • pos1 – é a posição que a caixa criada pela minipage ocupa na página. Podem tomar os valores t, c, b.
  • altura – é a altura da minipágina.
  • pos2 – é a posição do texto que está na minipágina e mais uma vez pode tomar os valores t, c, b.
  • largura – é a largura da minipágina.

Na minha experiência com minipáginas apercebi-me que enquanto para a pos2 as letras correspondem a t – top(topo), c – center(centro) e b-bottom(fundo), no campo pos1 essas posições invertem-se – não sei porquê!

Muitas vezes, quando estamos a definir tamanhos de alguma coisa num documento \LaTeX temos que introduzir medidas de comprimento, acompanhadas pelas devidas unidades.

Assim, em \LaTeX temos as seguintes medidas:

  • pt – Point (ponto)
  • pc – Pica ems (12pt)
  • bp – Adobe big points
  • sp – TeX points
  • dd – Didot points
  • cc – Ciceros
  • cm – centímetros
  • mm – milímetros
  • in – inches (polegadas)

Há ainda unidades de medida que são relativas a outras medidas

  • em – Tamanho do ponto actual que, historicamente, tem de diâmetro a largura de “M”
  • ex – Ponto de diâmetro igual à altura de “x”

Quanto a medidas, foram as que consegui encontrar…

A grande vantagem desta grande abrangência de unidades é que podemos usar aquela a que estejamos mais acostumados.

Em primeiro lugar, no que respeita à numeração de páginas, podemos querer escolher que tipo queremos, assim temos:

  • Arábico
  • Romano (maiúsculo e minúsculo)
  • Alfabético (maiúsculo e minúsculo)

Usamos, para escolher entre eles, o comando: \pagenumbering{opção}.

Em opção colocamos:

  • arabic
  • Roman
  • roman
  • alph
  • Alph

_________________________________________

Para que uma página qualquer não apareça numerada é necessário colocar na página em questão o comando:

\thispagestyle{empty}

ATENÇÃO: Este comando suprime também os cabeçalhos e rodapés da página.

Em editores de \LaTeX temos a possibilidade de criar tabelas, matrizes ou outros ambientes parecidos, de uma forma automática. Quando pedimos para o programa fazer esta construção aparece-nos um * no lugar do conteúdo de cada célula.

Exemplo de tabela

Para saltar de * em * de forma automática podemos usar a combinação de teclas CTRL + ESPAÇO. Ao premir estas teclas em simultâneo, o * seguinte aparece seleccionado e podemos começar a escrever imediatamente.